Tear Literário _ Crônica _

Tear Literário _ Crônica _

O Tear Literário amplia seus horizontes. Mostra aqui, a CRÔNICA. É mais uma página oferecida, pelo Escritor Paulino Vergetti Neto aos apreciadores desse gênero, dentro de uma amostragem de sua vasta produção literária.

My Photo
Name:
Location: Maceió, Alagoas, Brazil

Um homem apaixonado pela vida.

Links:
  • Tear Literário_Poesias_
  • Sou amigo do Paulino Vergetti
  • OÁSIS DA BELLA
  • Vida e Poesia
  • Sunday, October 08, 2006


    O Homem é o que lê!





    Magoa-nos esta maldita enxurrada de notícias ruins, desde as sanguessugas às anacondas, passando por mensaleiros, ambulâncias e tantas outras coisas mais. Parece que virou um axioma ser-se subtraidor do dinheiro público. Das duas, uma: ou se está facilitando demais a roubalheira., ou o país, muito empobrecido, aderiu ao Deus nos acuda e todo mundo está partindo para o desespero do rouba-rouba.
    Há uma alta escada nacional, onde cada degrau representa um tema importante a ser tratado. A falta de coragem de nossos governantes em enfrentá-los, faz com que optem por pular de três em três degraus. Quando não se esborracham no chão, chegam logo pertinho das estrelas e brilham no descanso da impunidade. Como os temas mais urgentes – suas decisões – são impopulares e retiram votos, eles continuam a jogar sob o tapete da República e assim vão escondendo o lixo que, mesmo sem feder tanto, um dia vem à tona e fere a sociedade limpa dessas mazelas.,e esses miseráveis não sofrem quase nada.
    Há certas indigências por grandes idéias. Os homens públicos estão ensurdecendo diante dos grandes ideais de ontem. Exauram-se por permanecer em cima do muro, envergonhados, mas a estampar na face o falso sorriso do “mea culpa”.
    A Operação Dominó envergonha não só Rondônia, mas todo o país. Tive pena e nojo ao ver um Presidente de um Tribunal de Justiça ser preso por falcatruas. Está havendo um desequilíbrio entre os poderes constituídos. O pudor, a ética, os bons costumes, tudo isso está descendo rio abaixo. A tradição purista dessas instituições está sombreada. A lisura para com o trato com as coisas públicas foi relegada a um segundo plano. A ordem se inverteu, e o crime fecundou tanto essa terra infernal que criaram, que já pode, se quiser, construir uma República paralela. Será o caos que, ao meu ver, já está erguendo seu palácio Real. Pelo menos, exército para defender a desordem dessa nova criação, já há o suficiente para manter a desordem operante e bem definida.
    Não se está cuidando mais, devidamente, do nosso país. O Capitalismo Selvagem parece ter transformado a relação afetiva entre os seres humanos numa máquina mortífera, desviada de todo e qualquer valor moral e ético,comprometido com a própria essência existencialista do homem.
    Há um jogo! A bola da vez está apenas com o mais rico que, naturalmente, é o mais poderoso. O pobre serve para não ser exterminado. O que gritar muito alto poderá até escapar por força de sua evidência. Os mesmos que roubam e matam, às vezes, por um temor estranho, protegem os miseráveis que estão forçosamente do outro lado do jogo. Na mesa, só tomam assento os que fogem das regras sociais, descumprem as leis e têm o poder e a força para se impor além das cartas do jogo.
    Acredito tanto que o homem que lê e abraça a Literatura, possa mudar o mundo, que me alegro, até ousadamente, vindo-me à mente o grande escritor alemão Hermann Hesse, e uma de suas últimas obras: O Jogo das Contas de Vidro. Esse romance faz-nos viajar exatamente por caminhos de um mundo extremamente oposto, onde a fantasia da ficção faz-nos sentir que a nossa grande esperança em mudarmos para seres mais dignos, passa por enveredarmos pelas grandes leituras. Aí, logo me entristeço. Lembro-me de que nosso país é um país de semi-analfabetos e os que fizeram até o curso superior, desses, poucos lêem o que merecidamente foi feito para esse fim. E agora? Resta lembrar o velho lobo Brizola – discurso tão repetido atualmente por um dos candidatos à Presidência da República – a solução para todos esses grandes problemas nossos, problemas esses que têm tirado o sono da sociedade, está numa revolução chamada EDUCAÇÃO! Ou iremos a ela ou morreremos por sua ausência dentro de nossas almas. O homem é o que lê.

    1 Comments:

    Blogger Nice Ventura Artista pástica e comendadora said...

    Fazer um comentário ...
    " O homem é o que lê " ,parabéns por todas estas palavras.
    Bem colocadas e bem merecidas .
    Senti-me dizendo tudo isto, sôbre
    um palanque político ...
    Amei . Você é nota DEZ .
    ABRAÇO grande !!!

    NICE VENTURA

    8:21 PM  

    Post a Comment

    << Home